Duas maneiras diferentes pelas quais podemos entender o termo “mente comum”

Existem duas maneiras diferentes pelas quais podemos entender o termo “mente comum”. Uma forma é não assumir o controle de nada e acabar acompanhando nossas aflições. Quando surge um pensamento de raiva, nós o seguimos; quando surge a ganância, perdemos o controle de nós mesmos para ela. Da mesma forma, perdemos o controle de nós mesmos para nosso orgulho e ciúme. Embora possamos pensar nisso como nosso estado mental comum, não é o que queremos dizer aqui. Aqui, isso não significa perder o controle de nós mesmos para as emoções negativas. Em vez disso, significa que não precisamos fazer absolutamente nada com a essência da própria mente. Não precisamos alterar essa essência de forma alguma. Não precisamos nos preocupar com o que estamos pensando, o que é agradável ou o que é doloroso. Podemos deixar essa mente como está. Se tentarmos alterar a mente de alguma forma, os pensamentos surgirão. Mas se não fizermos nada com ele e o deixarmos descansar facilmente, então ele não será alterado. Os mestres Kagyu do passado chamavam isso de mente comum ou estado natural. Eles deram esse nome à partir de sua experiência. A própria mente comum é a expansão do dharma e a essência dos budas; é nossa natureza búdica.

Thrangu Rinpoche

no livro “Vivid Awareness: The Mind Instructions of Khenpo Gangshar”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s