Pratique observar sua mente. Auto observação por Chagdud Tulku Rinpoche

Para entender como surge a ilusão, pratique observar sua mente. Comece simplesmente deixando-a relaxar. Sem pensar no passado ou no futuro, sem sentir esperança ou medo sobre isso ou aquilo, deixe-a descansar confortavelmente, aberta e natural. Neste espaço da mente, não há problema, não há sofrimento. Então, algo chama sua atenção - uma imagem, um … Continue lendo Pratique observar sua mente. Auto observação por Chagdud Tulku Rinpoche

Se contemplarmos profundamente a impermanência, a paciência e a compaixão surgirão.

Os jovens acham que suas vidas vão durar muito; os velhos acham que a vida vai acabar logo. Mas não podemos presumir essas coisas. Nossa vida vem com uma data de validade embutida. Existem muitas pessoas fortes e saudáveis ​​que morrem jovens, enquanto muitos idosos, doentes e fracos vivem indefinidamente. Sem saber quando iremos morrer, … Continue lendo Se contemplarmos profundamente a impermanência, a paciência e a compaixão surgirão.

Dependemos de condições externas, mas elas estão sempre mudando

Hoje depositamos nossa fé no samsara — em todas as coisas do mundo que vivenciamos por intermédio dos nossos sentidos. Porém confiar nessas coisas, a longo prazo, não vai nos ajudar, porque são todas impermanentes. Confiamos em nosso corpo, por exemplo, mas um dia ele vai morrer. Dependemos de condições externas, mas elas estão sempre … Continue lendo Dependemos de condições externas, mas elas estão sempre mudando

O verdadeiro problema está em nossa reação a essas circunstâncias

Muitas vezes pensamos que a única maneira de criar felicidade é tentar controlar as circunstâncias externas de nossas vidas, tentar consertar o que parece errado ou nos livrar de tudo que nos incomoda. Mas o verdadeiro problema está em nossa reação a essas circunstâncias. O que precisamos mudar é a mente e a maneira como … Continue lendo O verdadeiro problema está em nossa reação a essas circunstâncias

Uma consciência contínua da impermanência

Uma consciência contínua da impermanência Precisamos incutir em nós mesmos uma consciência contínua da impermanência, que esteja viva momento a momento. Isso porque a vida é uma corrida contra a morte, e a hora da morte é desconhecida. Contemplar a aproximação da morte muda as nossas prioridades e nos ajuda a abrir mão do envolvimento … Continue lendo Uma consciência contínua da impermanência

Se o passado de uma pessoa fosse o seu passado – Chagdud Tulku Rinpoche

Se o passado de uma pessoa fosse o seu passado Se o passado de uma pessoa fosse o seu passado, se a dor dessa pessoa fosse a sua dor, se o nível de consciência dela fosse o seu, você pensaria e agiria exatamente como ela. Ao compreender isso, fica mais fácil perdoar, desenvolver a compaixão … Continue lendo Se o passado de uma pessoa fosse o seu passado – Chagdud Tulku Rinpoche

Para entender como surge a delusão pratique observar sua mente – Chagdud Tulku Rinpoche (tradução)

Para entender como surge a delusão pratique observar sua mente. Comece por simplesmente permitindo que ela relaxe. Sem pensar no passado ou futuro, sem sentir esperança e medo sobre isso ou aquilo, deixando que ela relaxe naturalmente, aberta e natural. Nesse espaço da mente, não existem problemas nem sofrimento. Então, algo chama sua atenção - … Continue lendo Para entender como surge a delusão pratique observar sua mente – Chagdud Tulku Rinpoche (tradução)

Encontrando a Tranqüilidade da Mente | Chagdud Tulku Rinpoche

Encontrando a Tranqüilidade da Mente | Chagdud Tulku Rinpoche Se examinarmos nossas vidas, nosso descontentamento real, a angústia e o transtorno que experienciamos não se devem a condições externas. Ao invés disso, reagimos a essas condições internamente, e essa é a fonte da nossa infelicidade. Pegue a pimenta vermelha, por exemplo. Para alguns, comida sem … Continue lendo Encontrando a Tranqüilidade da Mente | Chagdud Tulku Rinpoche

Para manter sua prática do dharma uma pessoa não precisa renunciar ao mundo

Grandes praticantes alcançaram a iluminação trazendo continuamente consciência para seu trabalho. Durante todo o dia, por doze anos, o mestre indiano Tilopa prensou sementes de gergelim para fazer óleo. Com cada movimento, seu estado desperto permanecia inteiramente presente; não escapava para o passado nem para o futuro, não se perdia em vôos da imaginação. O … Continue lendo Para manter sua prática do dharma uma pessoa não precisa renunciar ao mundo