A PRÁTICA DA MEDITAÇÃO – Paul Brunton

É importante não serdes perturbado durante a meditação. Ansiedades, prazeres, ambições, tudo deve ser afastado. Extingui a luz, a claridade tende a distrair.

Temos de encontrar o método que melhor nos convenha, que nos ofereça a menor resistência. Se adotarmos algum estranho a nosso temperamento não seremos bem sucedidos.
Extremos de calor e frio dificultam a concentração. Medite com o estômago vazio, pois a mente está mais ativa. Não deixe o quarto abafado, pois o ar viciado embota a mente. Relaxe o corpo. Lave rosto e braços até os cotovelos para estabelecer pureza magnética. O barulho perturba a atenção, escolha um lugar silencioso.
O que fizestes neste sentido em existências passadas? Se sois velhos operários, venceis rapidamente, se sois novos requereis mais tempo.

Efeitos da meditação:
Resultam da prática um bom-humor, uma calma derivada da constante vibração do pensamento, tratamento do próximo como a si mesmo, paz mental, proteção divina, cura de moléstias, ajuda nas aflições, indicação estranha nos momentos de perplexidade.
Isolar-se na busca do eu, quando se defronte com um mau acontecimento, é neutralizar-lhe o poder de perturbar a mente. A proteção do Eu Superior vos envolve, vossa consciência estabeleceu contato.

Ao sermos perturbados por melancolia ou ira, irritabilidade ou paixões, nervosismo ou medo, basta-nos praticar onde estejamos, e os nervos se acalmarão.

Um efeito da prática é a liberação gradual da tirania do ambiente, trate-se de pessoas, lugares ou acontecimentos.

Se os homens derem os primeiros passos, estarão expressando seu interesse pelo Eu Supremo, e o Eu Supremo expressará então seu interesse por eles.