Esqueça a cura para também esquecer a doença – José Hermógenes

Hermógenes no seu livro Yoga para Nervosos chama de “a coisa” vários tipos de sofrimento como ataques de pânico, angústia, medos, ansiedade generalizada entre outros. Ele discorre de forma brilhante como abordar essas questões e dá dicas preciosas, aqui só selecionei algumas partes, o livro completo é interessante demais.

O próprio título desse post é uma frase dele. É algo que eu nunca tinha pensando, brilhante e esclarecedor.

Os trechos:

O segredo da sua ação eficaz parece estar em: a) serenidade, indispensável ao controle de si mesmo; b) concessão voluntária, inteligente e estratégica à “vontade do adversário” (correnteza do rio ou do mar e a carreira do cavalo disparado); c) utilização inteligente, objetiva e na hora exata dos esforços e dos meios certos. A forma de agir diante de uma crise qualquer é inteiramente diferente diferente daquela do caipira bravo e lutador que se mete no mar disposto a vencer, de frente, a pancada das ondas e que, provavelmente, sairá do combate de costelas fraturadas. O esperto frequentador de praia jamais comete tal imprudência. Faz o corpo mole e, serenamente, apenas se abaixa ou fura a onda, e sai ileso. Experimente o mesmo da próxima vez, quando se vir numa situação adversa, numa crise de qualquer espécie. Nunca se meta a enfrentar as ondas do sofrimento com peito aberto e pé atrás. Relaxe. Negaceie. Abrande-se. Deixe passar a onda e, se tiver habilidade suficiente, aproveite inclusive a força que o destruiria e faça como alguns banhistas – conserve-se na crista e vá soberanamente até a praia, pegando jacaré. Ousamos concluir que, em face de uma crise de neurose de angústia, sejam quais forem suas manifestações, o que devemos fazer é: a) não lutar frontalmente contra os sintomas; b) não insistir no esforço ineficaz; c) não cair presa do medo decorrente da sensação de impotência. Em resumo: Não lutar!, e não ter medo! Não lute. Não reaja. Não resista heroicamente contra a coisa ou contra qualquer assalto de desdita, quando sejam inevitáveis, invencíveis, incontroláveis e além de suas forças. Não resista. Faça como os raminhos tenros que se vergam com o peso da neve, deixando-a cair. Faça como os frágeis arbustos que o vendaval não consegue arrebentar. Reação frustrada e resistência destruída só servem para evidenciar nossa própria derrota e é isso que dá medo. Este, por sua vez, destrói a eficácia dos esforços, pois cria tensões desastrosas… E assim a vitória será sempre da coisa, da adversidade, da inferioridade, do vício, de tudo quanto nos quer vencer, reter, escravizar e destruir. Vamos ser mais objetivos e práticos.

Hermógenes, José . Yoga para Nervosos – Aprenda a Administrar Seu Estresse (Locais do Kindle 827-848). Best Seller. Edição do Kindle.

…..

— Não lute contra a crise! Não resista! Não tema! Largue-se! Fique imóvel! Reduza a zero seus movimentos. Pare. Diminua assim a necessidade de respirar. Não se esforce por mais ar! Quieta! Serena! Deixe a crise tomar conta! Acalme-se! Nada de medo! Seu pavor é que lhe prejudica! Quieta! Você já não precisa quase respirar. Está vendo?! Comece a comandar o relaxamento de todo o corpo! Entregue-se ao Deus Onipresente, que vai agir, desde que você se confie a Ele. Enquanto você estiver lutando, não dá a Ele a oportunidade de tomar conta de você. Deixe-O agir. Largue-se. Assim. De olhos fechados, afrouxe todo o corpo. Com corpo frouxo, sem tensões, vai-se reduzindo ainda mais a necessidade de respirar. Vê como a calma vai se restaurando? Vê como está respirando cada vez menos… e já desimpedidamente? Vê como Deus sabe salvar-nos de qualquer sofrimento, desde que, na hora exata em que nos sentimos impotentes, confiamos tudo, totalmente, à sua Onipotência, Onisciência e Onipresença? Vê como Deus sabe dirigir as reações de nosso organismo? Vamos: relaxe mais, cada vez mais… Que tal esta sensação de segurança e serenidade, que está substituindo o medo? Vê como é Divina a vitória sem luta, sem ansiedade, sem reação, sem violência?… Esta paz gostosa está ao seu alcance todas as vezes que quiser!… Sempre que nova crise quiser tomar conta de você, lembre-se disto: não lute; não tema; entregue-se a Deus; relaxe; deixe que a coisa, por si mesma, descubra que já não tem domínio sobre você!… Esse caso não é hipotético. Igual a ele, tenho tido muitos outros.

Hermógenes, José . Yoga para Nervosos – Aprenda a Administrar Seu Estresse (Locais do Kindle 861-873). Best Seller. Edição do Kindle.

…..

O que foi dito para a crise asmática é valido para qualquer dos múltiplos quadros com que a coisa martiriza a vida de inúmeras pessoas. Quaisquer que sejam os sofrimentos psicossomáticos, quaisquer que sejam os sintomas neurovegetativos, utilize a estratégia. Vai dar certo. Garanto-lhe. Se o que você sente é taquicardia, no próximo assalto, sem alarmas, deixe o coração livremente dançar sua rumba. Sentado ou deitado, apenas relaxe. É assim que procede um grande advogado carioca que, antes de ser meu aluno, tentara, inutilmente, os mais modernos tratamentos. Sem receio, largue o coração a si mesmo e diga-lhe: “Pode bater à vontade. Você não me assusta mais. Vamos. Bata como quiser. Não vou lutar contra você…” Dessa maneira, faça uma surpresa ao coração. E ele, meio frustrado, dirá: “Ué! Que está acontecendo?! Já não consigo apavorá-lo!” A coisa, sem ser combatida, sem ser temida, acaba por sentir-se desmoralizada, deixando você em paz. Não é isso o que você quer?! Se em vez de ser uma neurose de angústia é um vício, um comportamento compulsivo, mau hábito ou qualquer fraqueza contra a qual você tem lutado em vão, experimente a mesma estratégia, que em resumo é composta de: Não resistência. Não luta. Não tensão. Em linguagem yóguica: ahimsa. Ao contrário: mansidão e relaxamento. Não medo. Não pavor. Ao contrário, fé (shraddha). Não desespero. Ao contrário (ishavarapranidhana), entregar-se todo e tudo a Deus. Não tenha pressa. Nada de ansiedade. Ao contrário, paciência (tapas) e persistência.

Hermógenes, José . Yoga para Nervosos – Aprenda a Administrar Seu Estresse (Locais do Kindle 892-907). Best Seller. Edição do Kindle.