É tudo a mesma coisa. Isso é chamado de meditação. Ajahn Chah

Se olharmos de acordo com a realidade, sem tentar adulterar as coisas, veremos que é realmente lamentável e cansativo. Desapontamento surgirá. Esse sentimento de “desinteresse” não é que sentimos aversão ao mundo ou a qualquer coisa; é simplesmente nossa mente limpando, nossa mente deixando ir. Vemos as coisas como não substanciais ou confiáveis, mas que todas as coisas são naturalmente estabelecidas exatamente como são. Seja como for, eles seguem seu próprio caminho, independentemente. Se rimos ou choramos, eles simplesmente são do jeito que são. Coisas instáveis ​​são instáveis; coisas que não são bonitas não são bonitas.

Assim, o Buda disse que, quando experimentamos visões, sons, gostos, cheiros, sentimentos corporais ou estados mentais, devemos libertá-los. Quando o ouvido ouvir sons, solte-os. Quando o nariz cheirar a um odor, deixe-o ir … apenas deixe-o no nariz! Quando surgirem sentimentos corporais, abandone o gosto ou aversão que se segue, deixe-os voltar ao local de nascimento. O mesmo para estados mentais. Todas essas coisas, apenas deixe-as seguir seu caminho. Isso é saber. Seja felicidade ou infelicidade, é tudo a mesma coisa. Isso é chamado de meditação.

Ajahn Chah

Esse ensinamento de Ajahn Chah me lembrou do Bahiya Sutta
Então aquilo que é visto, é somente visto e nada mais, sem adicionarmos pensamentos, julgamentos, gosto e não gosto. Um cheiro azedo é um cheiro azedo e não “esse cheiro azedo deve ser de leite estragado que eu odeio, igual uma vez na minha infância quando etc etc etc…” não precisamos ficar o tempo todo adicionando coisas àquilo que surge, assim a mente se acalma com naturalidade nesse sentimento de aceitação daquilo que se apresenta.

Do Sutta:

“Então, Bahiya, você deve treinar assim: Com relação ao que é visto, haverá apenas o visto. Com relação ao que é ouvido, haverá apenas o ouvido. Com relação ao que é sentido, haverá apenas o sentido. Com relação ao que é conscientizado, haverá apenas o conscientizado. Assim é como você deve treinar. Quando com relação ao que é visto houver apenas o visto, ao que é ouvido houver apenas o ouvido, ao que é sentido houver apenas o sentido, ao que é conscientizado houver apenas o conscientizado, então, Bahiya, você não estará ‘com aquilo.’ Quando você não estiver ‘com aquilo,’ então você não estará ‘naquilo.’ Quando você não estiver ‘naquilo,’ então você não estará aqui, nem além e tampouco entre os dois. Isso em si mesmo é o fim do sofrimento.” [1]

Ouvindo essa explicação resumida do Dhamma do Abençoado, a mente de Bahiya exatamente naquele momento se libertou das impurezas através do desapego. Tendo exortado Bahiya com essa explicação resumida do Dhamma, o Abençoado partiu.
fonte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s