Quebre as cadeias de pensamento

Somos todos cidadãos da Era da Informação, quando os dados que consomem atenção são abundantes e a própria atenção humana é considerada uma mercadoria escassa. No meio do barulho e do caos dessa enxurrada de informações, com que frequência você percebe onde sua mente está e o que está fazendo? Sua atenção pode estar tão absorta no mundo exterior que, em certo sentido, sua mente não é realmente a sua. Não há “eu” naquele momento, porque quando você perde a consciência, você perde a si mesmo.

Uma boa maneira de redirecionar sua atenção e recuperar sua consciência é a prática da meditação, onde a primeira coisa que você encontra são seus pensamentos. Se você nunca meditou saiba que, uma vez que se senta em uma almofada de meditação e olha para sua mente, você imediatamente reconhece que está pensando o tempo todo.

Não importa o que mais esteja acontecendo, nosso processo de pensamento está em execução, um pensamento após o outro. Como esses pensamentos aparecem? Eles são aleatórios, caóticos, aparecendo do nada? Se você prestar atenção ao longo do tempo, sua compreensão do processo de pensamento se torna mais clara e precisa. Você é capaz de ver padrões em seus pensamentos e em suas reações habituais a esses padrões.

O ponto de partida para descobrir a verdadeira natureza ou realidade de sua mente é apenas essa consciência dos pensamentos. Quando você pode ver esses padrões claramente, esse é o começo de descobrir a sanidade e o estado de vigília em sua própria mente.

Quando falamos sobre esta realidade positiva da natureza da nossa mente, muitas vezes há alguns mal-entendidos. Você pode imaginar esta natureza como uma entidade brilhante e iluminada em um belo espaço, onde tudo é calmo, pacífico e perfeito, intocado por este mundo louco.

Mas não existe tal coisa. Por quê? Porque o caos e a sanidade coexistem – eles dependem um do outro. Sem insanidade, não há sanidade. Portanto, não se preocupe com seus pensamentos e o caos de sua mente. Eles podem servir como base para sua transformação.

Quando você olha para seus pensamentos e emoções, o ponto de partida é muito importante. É como a teoria do caos, que analisa a dinâmica de sistemas altamente sensíveis. Uma mudança muito pequena no início ou no ponto de partida de um movimento faz com que o sistema se comporte de maneira completamente diferente, e essa mudança muito pequena pode fazer uma grande diferença depois de um tempo. Um exemplo frequentemente citado na cultura popular é o “efeito borboleta”, no qual uma borboleta batendo suas asas nas florestas do Brasil poderia causar um furacão no Mar da China Oriental.

É o mesmo com os pensamentos. Você pode ter apenas um vislumbre de um pensamento crítico sobre alguém. Parece tão pequeno e inofensivo. Mas esse pensamento minúsculo tem o potencial de intensificar e colorir seu próximo pensamento, e o próximo, no final, desencadear padrões habituais profundamente enraizados que têm um grande efeito.

Digamos que você tenha notado que uma colega de trabalho não respondeu ao seu pedido de uma reunião importante, mas tem tempo para postar fotos para todos os amigos dela no Facebook. Primeiro você fica surpreso, depois fica irritado, indignado e, finalmente, irado. Você se sente compelido a fazer algo e começa a ensaiar um discurso agudo. Você está tão distraído com esses pensamentos que está atrasado e despreparado para seu próprio encontro!

O interessante aqui é que, no aparente caos ou aleatoriedade de nossos pensamentos, existem padrões, incluindo como nossos pensamentos e emoções interagem. Em muitas escrituras budistas tradicionais, não há realmente nenhuma palavra para “emoção” que seja diferente da noção de “pensamento”. Em vez disso, os pensamentos são sempre vistos como em jogo com nossas energias emocionais, conduzindo-os de um jeito ou de outro.

Portanto, quando um pensamento negativo surge, as emoções se tornam negativas. Sua mente se sente perturbada, dolorida e confusa. Quando não há pensamento, então suas energias emocionais são apenas energia pura, consciência clara e a bela energia da sabedoria.

Não importa se esses padrões parecem caóticos ou ordenados. Qualquer que seja o processo, você pode investigá-lo por meio de sua própria contemplação e meditação. Depois de começar a trilhar esse caminho, a próxima etapa é examinar a própria natureza do pensamento.

Temos tantos pensamentos – pensamentos positivos, pensamentos negativos, pensamentos grosseiros, pensamentos sutis – mas quando você olha direto e de perto para qualquer pensamento, ou qualquer emoção, percepção ou aparência da mente, o que você vê?

A primeira coisa que você vê é que o pensamento que você está olhando desaparece. Assim que você pensa: “Oh, há um pensamento, vou dar uma olhada nele”, ele desaparece. E depois que o pensamento se foi, o que você vê?

Entre a dissolução de um pensamento e o surgimento do seguinte, existe uma lacuna, um espaço aberto. Quando um pensamento surge, ele está lá por apenas um momento, então começa a se dissolver. Quando ele se dissolve, há um espaço claro e aberto onde nada acontece até o próximo pensamento. Se pudermos nos soltar totalmente, descansar e relaxar, então esse ponto em que os pensamentos desaparecem é onde encontraremos nossa liberação natural, nosso coração genuinamente desperto.

Com essas lacunas momentâneas, nossos pensamentos caóticos estão sendo muito gentis, oferecendo-nos uma pausa e uma chance para despertar. Mas geralmente não aproveitamos essa oportunidade. Nós passamos por cima disso. Estamos apegados ao nosso padrão ocupado e workaholic que nos mantém avançando para o próximo pensamento, o próximo momento, a próxima experiência. Esse é um dos principais padrões da nossa mente – estar sempre em movimento, em vez de parar e descansar onde estamos, mesmo que por um momento.

Embora os pensamentos sejam momentâneos, parece que nossa mente está sempre pensando. Isso porque não notamos as lacunas. Criamos a ilusão de continuidade ligando os pensamentos perfeitamente, para que tenham um sentimento de permanência e unidade.

É por isso que no budismo é ensinado que cada pensamento momentâneo é como um elo de uma corrente que se conecta a outro elo da corrente e assim por diante. Quem sabe onde começou ou onde terminará a cadeia? Em algum ponto, mesmo sem saber, criamos uma corrente que efetivamente nos liga. Somos prisioneiros de nossos próprios pensamentos. Pensamentos positivos aos quais nos apegamos podem criar uma bela corrente dourada, mas ainda estamos presos.

Para alcançar nossos objetivos, é importante que tenhamos um bom entendimento de nossos pensamentos e como os padrões que eles formam nos cegam e nos controlam. Também precisamos das ferramentas da meditação para desenvolver nossa consciência a ponto de ver a verdadeira natureza dos pensamentos como inseparáveis ​​desse coração desperto, dessa mente de Buda.

Quando você pode ver a tela inteira e simplesmente deixá-la ir, há uma liberação bem ali. Não a libertação em um sentido religioso, mas a simples liberdade de ser controlado por seus pensamentos. Você não tem que acreditar nisso. Você pode descobrir sozinho. À medida que você se aproxima dele, você pode senti-lo e, finalmente, pode vê-lo.

Acima de tudo, neste processo, precisamos ter uma medida genuína de compaixão por nós mesmos e pelos outros. Mesmo que seja um pouco, ainda pode ter um efeito profundo e de longo alcance, como o bater das asas de nossa borboleta.

Prática: Quebre as cadeias de pensamento
A prática da meditação sentada é um meio de acalmar nossa mente e diminuir o ritmo de nossos pensamentos. Como resultado, podemos ver a dinâmica da mente com mais clareza. Podemos ver como, elo por elo, criamos a cadeia de pensamentos que nos une e como podemos dissolvê-la.

Primeiro, vemos que não estamos no controle de nossos pensamentos; eles estão no controle de nós. Eles continuam vindo, agitando nossa mente, tornando difícil para nós ficarmos parados.

Então, vemos que nossos pensamentos não permanecem apenas pensamentos. Por causa deles, falamos abertamente e nos envolvemos em várias ações, com sabedoria ou imprudência. Portanto, nossas ações também são regidas por nossos pensamentos. E das ações vêm as consequências, e dessas consequências vêm todas as nossas experiências de felicidade e alegria ou sofrimento e dor.

Vendo esses padrões, passamos a conhecer nossa mente para que funcione melhor para nós e nos ajude a alcançar nossos objetivos nesta vida. Além disso, podemos reconhecer a própria natureza de nossa mente, que do ponto de vista budista é despertada desde o início.

Não precisamos trabalhar muito e ser bons filhos para criar essa mente desperta. Está sempre lá, mas simplesmente obscurecido, coberto por camadas de confusão. Vemos que os pensamentos são momentâneos, surgem e depois se dissolvem, e no espaço aberto entre eles podemos descobrir a mente desperta no local.

Dzogchen Ponlop Rinpoche em

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s