Ego por Ringu Tulku

Criamos a ilusão de um eu único e imutável, um “eu” individual que acreditamos permanecer fixo em algum lugar dentro de nós o tempo todo, à medida que sentimentos e pensamentos vêm e vão. No budismo, o termo que usamos para descrever isso é “ego”. Nossa identidade assumida leva à discriminação e divide a unicidade natural de nossa mente em duas. Impõe uma relação dualista entre nosso eu-ego e o objeto, dividindo a experiência em visão e observador, sentimento e aquele que sente, ou pensamento e pensador. Esta é a base para o nosso apego. “Querendo isso” e “não querendo aquilo”, projetamos o apego e a aversão do ego no mundo externo. Na verdade, não existe “eu” além de nossa consciência básica, nenhum “eu” diferente da experiência. A experiência é tudo. Nós não temos nenhuma propriedade sobre ele. Se não reconhecermos isso e subjugarmos essas projeções, continuaremos sofrendo. Ringu Tulku

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s