Esta coisa chamada mente – Annamalai Swami

“Quando a mente aparece todas as manhãs, não conclua de imediato, como habitualmente: “Este sou eu; estes pensamentos são meus”. Em vez disso, observe esses pensamentos ir e vir sem se identificar com eles de nenhuma maneira. Se puder resistir ao impulso de reivindicar cada pensamento como sendo seu, chegará a uma conclusão surpreendente: descobrirá que você é a consciência na qual os pensamentos aparecem e desaparecem. Descobrirá que essa coisa chamada mente só existe quando se permite que os pensamentos corram livres. Tal como a cobra que aparece na corda, você descobrirá que a mente é apenas uma ilusão que aparece através da ignorância ou da percepção errada.

Você quer a evidência de alguma experiência para o convencer de que o que estou a dizer é verdade. Pode ter essa experiência se desistir do seu hábito de toda a vida de inventar um “eu”, que reivindica todos os pensamentos como “meu”. Esteja consciente de si mesmo como a consciência apenas, observe os pensamentos ir e vir. Chegue à conclusão, por experiência direta, de que você é realmente a própria consciência, não os seus conteúdos efémeros.“

~ Annamalai Swami, Living by the Words of Bhagavan

Reflexão

Poucas ideias são mais radicais, que mais modificam uma vida, que a percepção de que “Eu não sou minha mente”. Essa percepção surge como resultado de uma profunda introspecção e meditação, e ela mexe bem no centro de nossa identidade como seres humanos.

Você está consciente da sua mente. Você pode observar sua mente com todos esses pensamentos, emoções, memórias, imaginações. Portanto isso tudo são objetos na sua consciência. Eles surgem, ficam algum tempo, e depois se vão.

No entanto, você permanece. Você, a consciência que observa, o observador – você permanece. Você não é definido pela sua mente, ou seus conteúdos.

Quando você move sua identidade, sua atenção, da mente (objeto) para o observador (sujeito), uma libertação acontece. Surge mais espaço. O que se torna um tremendo alívio, paz e liberdade interior que escrevi nesse post. (essa reflexão é tradução de uma newsletter que recebi do site:
http://liveanddare.com/ )

Exercício
Tenha o hábito de observar sua mente. Observe os pensamentos e emoções indo e vindo. Então pergunte a si mesmo: “Quem sou Eu que está consciente de tudo isso?”

Rejeite qualquer resposta que venha em forma de pensamento – porque você está consciente disso. Somente permanece com essa questão por um tempo e a experiência de sua verdadeira natureza se tornará cada vez mais clara.