Estar consciente, desde o momento em que você acorda

O original em inglês desse ensinamento você pode ler no link https://www.lionsroar.com/awareness-from-the-moment-you-wake-up/. As instruções são ótimas para quem já medita e para quem não medita se familiarizar com um dos objetivo finais da meditação que é integrar a prática no nosso cotidiano e viver uma vida mais consciente. Vou colocar a palavra “awareness” para mostrar o que está no original já que essa palavra é chata para traduzir em cada sentido utilizado, então quem lê pode entender.

O trabalho de um meditador é lembrar-se de estar atento.

Esteja você de pé, sentado, deitado ou caminhando, se você se lembrar de que está consciente, estará meditando e cultivando as qualidades positivas da mente.

Sempre começamos com consciência (awareness). É essa qualidade que nos fundamenta e permite que surjam todos os estados mentais benéficos, especialmente a qualidade da sabedoria. Quando a consciência e a sabedoria estão trabalhando juntas dessa forma, ganhamos a confiança e a motivação para continuar explorando e nos movendo para as regiões desconhecidas de nossas mentes, onde o sofrimento começa em um nível sutil.

O que a mente está ciente – os objetos da percepção, como sensações, pensamentos, percepções e emoções – não é realmente importante. O que é importante é a qualidade da mente observadora que está sempre trabalhando em segundo plano para estar atenta. Quanto mais nos lembramos de estar atentos, mais nutrimos a sabedoria que dissolve o estresse e o sofrimento.

Sabedoria é o objetivo desta prática. É a qualidade da mente que compreende a verdadeira natureza da realidade. Torna-se a bússola que aponta o caminho à medida que tentamos compreender e remover as três raízes nocivas da mente: desejo, aversão e ilusão.

Como indivíduos, não sabemos realmente como lidar com as três qualidades primordiais inábeis da mente. É por isso que a coisa certa a fazer na prática é desenvolver a qualidade da sabedoria da mente, que sabe como remover as raízes prejudiciais. A consciência faz crescer a sabedoria. Portanto, confie na sabedoria; ela ficará ao seu lado.
Esqueça a ideia de que a meditação acontece apenas em uma almofada ou na sala de meditação. A meditação é tão importante que precisamos fazer isso o tempo todo, sempre que pudermos nos lembrar. Devemos meditar desde o momento em que acordamos até o momento em que adormecemos.

É da natureza da mente surgir e desaparecer a cada momento, mas cada momento deixa um legado para o momento seguinte. É por isso que é importante cultivar as qualidades benéficas da mente, como paciência, perseverança, alegria e equanimidade – para que se tornem o legado transmitido. Depois de aprendermos como estar continuamente atentos com sabedoria, todas as qualidades positivas da mente virão naturalmente. Cultivar as qualidades saudáveis e positivas da mente é o objetivo da meditação. Estas, não “eu”, são as qualidades em ação na meditação.

Cinco das qualidades positivas da mente, chamadas de “faculdades espirituais”, são especialmente importantes para cultivar na meditação. Quando essas cinco qualidades estão em equilíbrio, elas desenvolvem a sabedoria, a quinta qualidade da mente, considerada a principal porque a sabedoria dissolve o sofrimento.

As cinco faculdades espirituais são:

Confiança (confiança na prática)
Energia (esforço contínuo)
Atenção plena (lembrando-se de estar atento)
Estabilidade da mente (calma, quietude)
Sabedoria (compreensão da natureza da realidade)

Quando a meditação está indo bem, essas cinco qualidades trabalham juntas em um ciclo virtuoso que fortalece as qualidades benéficas da mente continuamente. Primeiro, a confiança na prática apóia o esforço contínuo, o que, por sua vez, fortalece a atenção plena, a estabilidade da mente e a sabedoria. Cada novo vislumbre de sabedoria fortalece ainda mais a confiança na prática e o ciclo continua.

As qualidades de nossa mente – sejam elas positivas ou negativas em determinado momento – ficarão cada vez mais fortes se você permitir que permaneçam. Devemos praticar sem parar para tornar o que está na mente positivo a cada momento, porque se não for positivo, será negativo. Praticando dessa maneira, gradualmente substituímos o velho ciclo de avidez, aversão e ilusão por um novo ciclo de consciência natural, clareza e sabedoria.

Agora vamos considerar três princípios básicos da prática da meditação: esforço correto, entendimento correto e atitude correta.

Esforço Certo: Fique Atento Continuamente

O esforço correto é um esforço contínuo. Lembrar-se continuamente de estar atento é o esforço correto.
Todos os dias que acordamos, abrimos os olhos e o ver começa a acontecer. Mas com que frequência percebemos isso conscientemente? Quando o fazemos, isso é consciência. É a realização de nossa experiência do momento presente. Isso é tudo.

A consciência (awareness) simples não é nada cansativa. Você precisa se concentrar ou focar para saber que está vendo? Não. Enquanto estiver ciente de algo em seu ser, você estará ciente. Tudo o que você perceber está bom. Pode ser qualquer uma das seis percepções sensoriais – ver, ouvir, saborear, tocar, cheirar ou pensar.

Nos ensinamentos do Buda, o pensamento é considerado uma percepção do sexto sentido. Cada vez que um sentido é percebido, uma “porta dos sentidos”, que é um órgão de percepção (olho, ouvido, nariz, corpo, língua, mente), encontra o objeto que é percebido (visão, som, olfato, tato, paladar, pensamento). Cada encontro em uma porta dos sentidos dá origem a um momento de consciência em que o objeto de percepção é conhecido.

O esforço direcionado para permanecer consciente não requer muita energia. Não é difícil estar ciente – é apenas difícil fazer isso continuamente! Você não precisa saber todos os detalhes de sua experiência.

Aenas esteja atento e saiba o que você está ciente.
Quanto esforço você acha que requer para estar ciente? Vamos tentar uma demonstração ao vivo conosco como cobaias. Você está sentado. Você está ciente de que está sentado? Você está vendo. Você está ciente de que está vendo? Sim? Você tem certeza? Quando você começou a perceber que está vendo, que o ver está acontecendo? Foi agora mesmo quando lhe perguntei, não foi?

Quando não somos habilidosos o suficiente para praticar com o esforço correto, ou colocamos muito ou pouco esforço.

É importante, especialmente quando você está começando uma prática de meditação, que você não se esforce demais, por exemplo, tentando se concentrar em um objeto ou criar um estado mental agradável.

Relaxe a mente

A mente meditativa deve estar relaxada. Nunca devemos nos concentrar demais ou tentar muito. O esforço correto não é focalizar intensamente a atenção em algo.

Sempre que nos esforçamos para experimentar algo agradável ou evitar algo desagradável, ficamos cansados. A mente que medita, a mente que está fazendo o trabalho da meditação, deve ser uma mente saudável. Em uma mente sã, as qualidades de confiança, energia, atenção plena, estabilidade mental e sabedoria estão em ação substituindo o desejo, a aversão e a ilusão, pelo menos até certo ponto.

No entanto, às vezes, quando fazemos um esforço, o fazemos sem habilidade. Nessas ocasiões, uma ou mais das três raízes prejudiciais vêm à mente e nosso esforço se torna um esforço incorreto.

Sempre que o desejo, a aversão ou a ilusão estão presentes e motivam a prática, começamos a nos esforçar demais. Quando queremos que a experiência seja de uma determinada maneira, isso é desejo, e começamos a nos esforçar e a nos esforçar demais. Quando estamos insatisfeitos com algo, isso é aversão, e tentamos evitar ou fazer com que desapareça. Focar muito nos cansa. Isso está acontecendo por causa do desejo, aversão ou ignorância da prática. Precisamos suavizar nosso foco e relaxar. Deve haver esforço contínuo, mas não esforço exagerado.

Seja legal, calmo e interessado

Em vez de usar energia para se concentrar, use inteligência e sabedoria, esperando e observando. O esforço correto é chamado de “correto” porque há muita sabedoria presente.

Fique frio e calmo. Esteja interessado. Aceite, examine e estude tudo o que está acontecendo como é. Não interfira com o que está acontecendo. Não tente fazer algo indesejado desaparecer ou parar. Não tente criar experiências preferidas.

Observe que a mente está fazendo seu próprio trabalho por meio do reconhecimento, da consciência, do conhecimento, do pensamento sobre a prática e do interesse. Estamos apenas vendo e reconhecendo o trabalho que a mente já está fazendo.

O esforço correto é continuar se lembrando de estar atento.

É fácil estar ciente, porque tudo o que podemos realmente ter consciência são nossos seis sentidos – ver, ouvir, saborear, tocar, cheirar ou pensar. Portanto, a qualquer momento, tudo o que precisamos fazer para estar atentos é fazer perguntas como “O que está sendo visto agora?” “Que sons estão sendo ouvidos?” “Que pensamentos estão sendo conhecidos?”

Você deve meditar assim o dia todo.

Conservar energia

Não se esforce muito, ou perderá o fôlego. Economize energia para continuar o dia todo.

É muito importante continuar tentando manter a intenção de permanecer consciente o tempo todo, seja a consciência realmente contínua ou não. Isso aponta para outra qualidade do esforço correto: persistência. Não é um esforço vigoroso, mas sim uma determinação interior para sustentar a pequena quantidade de energia de que você precisa em cada momento para saber que está consciente e continuar assim.

Mantenha a intenção e o compromisso e não desista. Persevere ao longo do dia. Requer alguma prática, porque para que a consciência se torne constante, ela precisa se tornar um hábito. Para que algo se torne um hábito, temos que persegui-lo o tempo todo.

No início, a consciência está sempre ligada e desligada, ligada e desligada, e apenas perseveramos. Quando nos lembramos, continuamos. Esquecemos, lembramos, continuamos. Precisamos estar conscientes de nós mesmos continuamente em todas as posturas, seja em pé, sentado, caminhando ou deitado.

Quando nos deitamos, devemos exercitar mais a mente, caso contrário, cairemos no sono. A mente não precisa apoiar o corpo em uma postura ereta, portanto, todo o esforço deve ser voltado para a consciência. Se ficarmos relaxados demais, cochilaremos. Certamente não há problema em praticar deitado – apenas tome cuidado para não adormecer! Verifique frequentemente a energia que está usando e certifique-se de que está praticando com o esforço correto.

Verifique frequentemente as raízes nocivas

Gostar e não gostar de objetos na consciência tende a obrigar a maioria das ações em nossa vida diária. É o hábito de nossas mentes. Portanto, não é uma surpresa que esse hábito apareça na meditação e tente comandar o show também.

Precisamos compreender completamente o quanto as três qualidades inábeis da mente estão nos torturando e atormentando. Ainda não aprendemos essa lição totalmente. Não aprendemos nossa lição na primeira vez, na segunda vez, na terceira vez.

Quando as raízes prejudiciais surgem, geralmente os recebemos em nossa casa como convidados e servimos chá e biscoitos. Não é verdade? Nossas listas de “gosto e não gosto”, por exemplo, formam uma grande parte de nossas personalidades às quais estamos apegados. Só pediremos ajuda às qualidades benéficas quando percebermos que as qualidades inábeis estão governando nossas vidas e não podemos mais suportá-las.

As qualidades básicas prejudiciais são difíceis de entender. É por isso que você deve sempre, sempre estar interessado na mente e aprender continuamente sobre ela. Não estamos tentando nos livrar de qualidades inábeis; em vez disso, estamos trabalhando para notá-los e aprender sobre eles. Queremos saber sua verdadeira natureza.
Meditação é o reconhecimento de formas grosseiras e sutis de avidez, aversão, ilusão e todos os seus parentes que estão presentes na mente enquanto ela está observando objetos.

Verifique a mente com frequência para ver se as qualidades inábeis estão pressionando sua prática.

Visão Correta: A Mente é Natureza, Não “Eu”

Visão correta é a compreensão de que a mente é a natureza, não um “eu” ou “eu”.

A mente não é um eu. Não é pessoal; não sou eu, não é meu. Ninguém está lá. Este é o entendimento correto, e nós praticamos para descobrir essa natureza.

A visão correta precisa estar presente na mente mesmo antes da consciência, porque se a sua consciência não tiver a visão correta, você ficará enredado em desejo, aversão e confusão.

Quando olhamos claramente para “o que é” praticando a consciência com o entendimento correto, a sabedoria começa a surgir. Isso começa a nos dar uma imagem clara de como as coisas são, que é a natureza da realidade para a qual Buda apontou. É assim que se desenvolve a visão correta.

Nossa visão condicionada e habitual de nosso mundo é que o processo da mente e da matéria sou “eu”. Estou olhando para “mim”. Eu me conheço.” Mas não podemos meditar para desenvolver sabedoria usando esse ponto de vista.

Se pensarmos no corpo ou na mente como “eu”, então o desejo, a aversão e a confusão surgirão. Se acharmos que estamos tendo uma boa experiência, começaremos a nos apegar a ela ou tentaremos criar mais dela – isso é desejo. Se acharmos que estamos tendo uma experiência ruim, começaremos a negar, evitar ou afastar – isso é aversão. Se a mente está distraída e perdendo tudo ou ocupada racionalizando e defendendo nosso desejo e aversão, isso é confusão.

Quando praticamos a consciência com o entendimento correto, entramos em contato íntimo com a vida. Começamos a entender o que é realmente viver a vida como um ser humano. Compreender a visão correta não pode ser alcançada pelo ego, a sensação de “eu”. Em vez disso, com uma mente calma e clara, simplesmente observamos cada experiência exatamente como ela é. Então, a compreensão do entendimento correto – a natureza não-eu da experiência – se revelará.

O que sabe vs. o que é conhecido

Quando estamos praticando, sempre há duas coisas envolvidas: objetos que são conhecidos e a mente que conhece esses objetos. Juntos, esses dois – o que é conhecido e o que sabe – formam uma unidade de experiência que surge a cada momento. É importante lembrar isso.

A mente é aquela que conhece. Chamamos coisas que são conhecidas de “objetos”. Objetos incluem qualquer uma das cinco percepções sensoriais, como visões, sons, sabores, toque, cheiros e pensamentos, que são objetos da mente, geralmente na forma de palavras ou imagens.

Os objetos aparecem espontaneamente. Quando conhecemos um objeto, não precisamos mudá-lo ou melhorá-lo, nem poderíamos fazer isso de qualquer maneira. Um objeto não precisa ser outra coisa senão o que é. É exatamente o que é e não pode ser alterado ou modificado.

Mas o que podemos fazer no momento presente é trabalhar com a mente que sabe. Podemos ter certeza de que a mente tem uma visão correta e que está funcionando da maneira certa. Podemos trazer essas qualidades da mente para o momento presente, estando atentos.

O trabalho da meditação é, portanto, o trabalho da mente que conhece todos os objetos da consciência. A meditação é obra da mente.

INVESTIGUE O PENSAMENTO

Quando meditamos, achamos que é bom ter muitos pensamentos na mente? Ou achamos que é melhor ter apenas alguns pensamentos, ou mesmo nenhum pensamento na mente?

Se acreditarmos que é melhor ter poucos ou nenhum pensamento na mente, então provavelmente resistiremos a pensar sempre que os pensamentos surgirem na mente.

Mas pensar é apenas natureza. Podemos parar a natureza ou evitar a natureza? É impossível. Em vez disso, precisamos apenas ver que pensar é natureza. Essa é a visão correta. Com essa visão, podemos começar a viver habilmente com o pensamento em vez de resistir à natureza que está pensando.

Você precisa ser capaz de reconhecer quando a mente está pensando, mas não se enredar no que está sendo pensado. Não há necessidade de se deixar levar pela história que seus pensamentos estão contando. Não há necessidade de acreditar automaticamente que a história que se passa na mente é verdadeira.

Em vez disso, esteja interessado no fato de que a mente está pensando. É um processo que está acontecendo. Se você não está acostumado a reconhecer que a mente está pensando, volte a tudo o que estava ciente, como a respiração ou as sensações no corpo. Não fique apenas com a mente, porque você pode se perder em pensamentos.
Se você freqüentemente se dá a oportunidade de reconhecer a mente pensante, chegará ao ponto em que começará a ver que isso é a mente. Então você pode saber e não se perder em pensamentos. Há uma diferença entre estar perdido em pensamentos, que é a mente divagando, e estar ciente de pensar enquanto pensa.

Começamos a reconhecer que podemos saber objetivamente “isso é a mente”. Percebemos que “isso é mente, mente está pensando.” Uma vez que aprendemos como ver a mente objetivamente dessa maneira, não nos perdemos em pensamentos. Isso não vai acontecer.

OBSERVE A INTENÇÃO DE PENSAR

Quando a mente está pensando continuamente e nos tornamos conscientes disso, não é suficiente apenas saber que a mente está pensando. Devemos tentar perceber a intenção de pensar. A mente quer pensar. Queremos ser capazes de ver esse desejo claramente. Às vezes, quando nos perguntamos: “Por que minha mente está pensando tanto?” somos capazes de detectar o desejo de pensar.

Quando olhamos para os pensamentos dessa maneira, nos tornamos capazes de compreender certos processos, como relações de causa e efeito entre a mente e o corpo, ou como a mente rotula “certo” e “errado”. Não estamos interessados no conteúdo dos pensamentos. Queremos entender o fenômeno do pensamento, especialmente em relação às qualidades inábeis de querer que certas coisas aconteçam (por exemplo, querer que certos tipos de pensamentos ou imagens surjam na mente) e outras coisas que não aconteçam (como certos pensamentos não queremos que surjam).

Podemos observar esses processos claramente em relação aos sons que ouvimos durante a meditação. Veja como a mente imediatamente rotula esses sons como “bons” ou “ruins”. Gostamos dos sons “bons” que ouvimos, como o som de sinos, pássaros cantando ou folhas farfalhando ao vento, e os agarramos na mente. Gostamos deles e queremos experimentá-los mais. Não queremos que eles parem. Da mesma forma, tentamos bloquear os sons “ruins” que ouvimos, como tráfego de carros ou barulho de construção.

Não importa o quão bem você esteja se concentrando. Você pode estar nas profundezas da concentração, mas quando ouve um som e pensa que não deveria estar ali, você perde a concentração instantaneamente. Você se ressente porque o som quebrou sua concentração.

No momento em que temos uma visão errada, temos um pensamento errado, que é um pensamento de gostar ou não gostar, ou de avaliar uma experiência como boa ou má. Então, em vez de continuar a ver a realidade claramente, ficamos enredados em desejo e aversão. Começamos a tentar manipular a natureza em vez de vê-la claramente e trabalhar com ela com habilidade.

Dessa forma, nossos gostos e desgostos atrapalham o trabalho da mente.

USE TODOS OS SENTIDOS PARA DESENVOLVER SABEDORIA

Um meditador usa todas as experiências das seis portas dos sentidos para desenvolver a consciência, a estabilidade da mente e a sabedoria. Pessoas que não são meditadores ainda têm os seis sentidos, mas tendem a desenvolver desejo, aversão e apatia por eles. Portanto, use cada momento que você tem com as seis portas dos sentidos para desenvolver consciência, estabilidade mental e sabedoria, e você estará meditando.

O que quer que você observe sobre sua experiência no momento, reconheça o que realmente é. Permita-se continuar a saber disso e, então, continue a reconhecer tudo o mais que possa saber. Você não está tentando mudar sua experiência.

O que estamos fazendo ao longo de nossa vida diária – sentados, em pé, caminhando ou qualquer outra coisa? Estamos tentando saber. Estamos cientes de tudo o que está acontecendo no corpo e na mente.

Agora, se a qualquer momento você começar a sentir que está sabendo três ou quatro coisas diferentes ao mesmo tempo, não se assuste. Isso pode acontecer e não é uma coisa ruim. Não pense que você está distraído. Não o julgue. É um bom sinal.

MEDITE COM OS OLHOS ABERTOS

Estamos tão acostumados a pensar que meditação é algo que fazemos com os olhos fechados que podemos nunca ter considerado que podemos ter consciência de ver. No entanto, ver pode ser um objeto da mesma maneira que podemos estar cientes dos objetos que estão sendo vistos.

É muito importante aprender a praticar dessa maneira – ao ver, saber que você está vendo. É importante porque o hábito da mente de gostar, não gostar ou ignorar imediatamente cada objeto que percebe interage extensivamente com o processo de ver, e isso causa sofrimento.

Realmente não é difícil entender o que é ver, mas geralmente não o compreendemos. A tendência habitual da mente é pensar no que está sendo visto – vejo uma imagem de Buda, vejo uma xícara de café, vejo o chão. Mas a própria visão – isso é uma coisa diferente – e é isso que você quer saber. Apenas reconheça que você está vendo.

Quando você vê, reconhece que ver está acontecendo. Sempre que os olhos estão abertos, a visão está acontecendo. Por causa da visão, somos capazes de olhar, e toda vez que fazemos algo, olhamos. Antes de girar a maçaneta de uma porta, olhamos para a maçaneta. Olhamos para a porta à medida que avançamos em sua direção. Olhamos para algo antes de pegá-lo, antes de fazer qualquer coisa.

Quero que você seja capaz de trazer essa prática do dhamma para a vida diária, de modo que a própria vida se torne a prática do dhamma. Uma das maneiras pelas quais você pode trazer o dhamma para a sua vida é estar ciente de que você está vendo e olhando, porque então você estará meditando com os olhos abertos.

Ver e pensar têm naturezas semelhantes. Assim como não queremos perceber o que pensamos, mas sim o que (no caso “isso que”) pensamos, queremos ser capazes de observar e aprender sobre o processo de ver, em particular em relação a gostar, não gostar e ignorar.

Assim como podemos nos perder em nossos pensamentos com muita facilidade, também podemos nos perder no que estamos vendo. Com prática e perseverança, tornamo-nos capazes de objetivar o ver, assim como aprendemos a objetivar o pensar, e assim não nos perdemos nele. Ao realizar suas atividades do dia-a-dia, tente tornar-se consciente de ver e olhar tanto quanto possível.

Atitude correta: aceite a experiência exatamente como ela é

Atitude correta é aceitar sua experiência exatamente como ela é.

Este é o estado de espírito certo para meditar. É uma mente que está livre de gostar e não gostar compulsivamente e, portanto, é capaz de ver as coisas claramente como elas são.

A atitude correta permite que você aceite, reconheça e observe tudo o que está acontecendo – seja agradável ou desagradável – de maneira relaxada e alerta.

É muito importante ter essa atitude na meditação, porque se você está tentando ter uma experiência diferente da que está tendo, você nunca será capaz de ver o momento presente com clareza e, desta forma, aprender sobre a natureza da realidade .

Apenas lembrar-se de estar atento não é suficiente. Para que a consciência se torne mais forte, você também precisa ter a atitude certa, uma mente observadora livre das três raízes prejudiciais.

Tudo o que você está experimentando neste momento é a experiência certa. Não há necessidade de ficar feliz ou infeliz com o que está acontecendo, e não há necessidade de gostar ou não gostar da experiência. Esta é a atitude certa para meditação.

Se o que está acontecendo é julgado bom ou ruim é irrelevante. Com a atitude certa, você aprende com cada experiência. Você será capaz de perceber como a mente julga bem ou mal e, então, ver as reações que acompanham esses julgamentos.

Não há necessidade de sair por aí tentando encontrar um objeto de escolha para seguir como a respiração, pensamentos ou emoções. Nesta meditação, prestamos atenção à mente meditativa e ao cultivo de qualidades mentais saudáveis. Como tal, podemos usar qualquer objeto para cultivar a consciência, desenvolver a estabilidade da mente e obter um insight da natureza dos fenômenos.

Nenhuma experiência lá fora é melhor do que a experiência atual. Uma experiência é uma experiência. Um objeto é um objeto. Não é saudável nem prejudicial!

Aqui está a questão mais importante: a mente está observando com qualidades mentais benéficas ou prejudiciais?

CONHEÇA TODA A EXPERIÊNCIA

O objetivo é conhecer toda a experiência: os pensamentos, sentimentos e sensações em torno de uma emoção e como a mente está se comportando, com ou sem as três raízes prejudiciais.

Há uma progressão natural no crescimento da consciência. Você pode começar notando apenas um objeto – digamos, a respiração. Depois de um tempo, você perceberá vários objetos no corpo – digamos, sensações na barriga, nas mãos e no peito. Então você pode perceber seus sentimentos enquanto está ciente de todos esses objetos no corpo.

Mais tarde, você se torna capaz de estar ciente não apenas de objetos e sentimentos, mas também da mente que está ciente, além da atitude que está por trás dessa percepção. Uma vez que você seja capaz de ver toda essa imagem, você começará a entender como todos esses objetos interagem uns com os outros para criar mais estresse ou mais tranquilidade na mente. Isso é compreensão; isso é sabedoria.

Portanto, é essencial que você permita que a mente se expanda, torne-se consciente de mais e mais objetos. Se a mente permanece em um único objeto, ela não pode reunir muitos dados, e a consciência e a sabedoria não podem crescer.

DEIXE O QUE ACONTECER ACONTECER

Meu professor, Shwe Oo Min, deu instruções concisas sobre a atitude correta em três linhas curtas: “Não tente fazer nada; não tente evitar nada; mas não perca o que está acontecendo. ”

É uma atitude errada julgar a prática da meditação e ficar insatisfeito com o andamento dela. A insatisfação surge da ideia de que as coisas não são como pensamos que deveriam ser, ou da ignorância do que é uma prática correta. Essas atitudes fecham a mente e dificultam a prática.

As três qualidades básicas inábeis o impedem de viver sua vida plenamente. Eles o impedem de encontrar a verdadeira paz e liberdade. Cuidado com eles. À medida que você para de se apegar ou se identificar com eles, a força deles diminui lentamente.

Quando você espera e observa com consciência e inteligência, você verá que as experiências estão acontecendo de acordo com sua própria natureza. Deixe acontecer o que acontecer. Não há necessidade de ficar feliz ou infeliz com o que está acontecendo, e não há necessidade de gostar ou desgostar de nenhuma experiência. Fique feliz por haver conhecimento e consciência, pois isso em si já é saudável.

Nesse ponto, você pode se sentir oprimido por todas as informações que foram solicitadas a ter em mente enquanto medita. Todas essas sugestões servem basicamente a um propósito: dar-lhe a compreensão que o ajudará a meditar com a atitude certa.

Quando você tem o entendimento correto, naturalmente desenvolve a atitude correta, aplica o esforço correto e desenvolve a consciência e a sabedoria corretas.

Quando prestamos atenção às nossas experiências na meditação, a consciência coleta o que você poderia chamar de dados brutos. Depois de coletar muitos dados, podemos chamá-los de informações. Desse modo, um meditador continua alimentando vários fluxos de informação: dados sobre o corpo alimentam o fluxo de informações sobre os processos físicos; os dados sobre a mente se acumularão como informações sobre sentimentos e emoções e assim por diante.

Juntar todas essas informações permite que a mente entenda como os processos físicos e mentais interagem. Nesse ponto, a informação se torna conhecimento.

A sabedoria, então, usa esse conhecimento sobre a interação dos processos físicos e mentais de maneiras habilidosas para influenciar positivamente os eventos. A mente faz tudo isso sozinha. Não sou “eu” que medita; é a mente.

A meditação é obra da mente. Ajudamos a mente a fazer seu trabalho prestando atenção às nossas experiências com a atitude correta, a fim de aprender sobre o funcionamento das três raízes prejudiciais, que a sabedoria acaba por dissolver.

Depois de perceber os benefícios de trabalhar dessa forma e se tornar hábil em manter todos esses processos, você continuará expandindo-os e crescendo em sabedoria. Quando você continua praticando dessa forma, a consciência e a sabedoria eventualmente estarão sempre presentes, e os insights surgirão continuamente conforme necessário.

Você está praticando com a atitude certa? Verifique freqüentemente.

De Relax & Be Aware: Mindfulness Meditations for Clarity, Confidence and Wisdom , por Sayadaw U Tejaniya (Shambhala 2019)

Um comentário em “Estar consciente, desde o momento em que você acorda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s