Quaisquer que sejam os fenômenos – Ajahn Chah

Na prática da meditação, trabalhamos para desenvolver a atenção plena, de modo que estejamos constantemente cientes. Trabalhando com energia e paciência, a mente pode se tornar firme. Então, quaisquer que sejam os fenômenos sensoriais que experimentamos, sejam agradáveis ​​ou desagradáveis, e quaisquer fenômenos mentais, como reações de alegria ou abatimento, os veremos claramente. Fenômenos são uma coisa e a mente é outra. Eles são assuntos separados. Quando algo entra em contato com a mente e estamos satisfeitos com isso, queremos persegui-lo. Quando algo está desagradando, queremos fugir disso. Isso não é ver a mente, mas correr atrás dos fenômenos. Fenômenos são fenômenos, mente é mente. Temos que separá-los e reconhecer o que são os fenômenos. Então podemos ficar à vontade. Quando alguém fala duramente conosco e ficamos com raiva, significa que estamos iludidos pelos fenômenos e os perseguimos; a mente é capturada por seus objetos e segue seus humores. Por favor, entenda que todas essas coisas que experimentamos externa e internamente não são nada além de enganos. Eles não são nada certos ou verdadeiros e, ao persegui-los, perdemos o nosso caminho. O Buda queria que meditássemos e víssemos a verdade deles, a verdade do mundo. O mundo é o fenômeno dos seis sentidos; os fenômenos são o mundo.

Se não entendemos o Dharma, se não conhecemos a mente e não conhecemos os fenômenos, então a mente e seus objetos se misturam. Então, experimentamos sofrimento e sentimos que nossas mentes estão sofrendo. Sentimos que nossas mentes estão vagando, experimentando incontrolavelmente diferentes condições infelizes, mudando para diferentes estados. Não é bem assim: não existem muitas mentes, mas muitos fenômenos. Mas, se não temos consciência de nós mesmos, não conhecemos nossas mentes e, portanto, seguimos essas coisas. As pessoas dizem: “Minha mente está transtornada”, “Minha mente está infeliz”, “Minha mente está dispersa”. Mas isso não é verdade. A mente não é nada; as contaminações são. As pessoas pensam que suas mentes não estão confortáveis ou felizes, mas na verdade a mente é a coisa mais confortável e feliz.

Quando experimentamos os diferentes estados infelizes, isso não é a mente. Observe o seguinte: quando você estiver experimentando essas coisas no futuro, lembre-se de que Ajahn Chah disse: “Isso não é a mente.” Estamos praticando para alcançar a mente – a “velha” mente. Essa mente original não é condicionada. Nela não há bom ou mau, longo ou curto, preto ou branco. Mas não nos contentamos em permanecer com essa mente, porque não vemos e não entendemos as coisas com clareza. O Dharma está além dos hábitos da mente comum. Antes de treinarmos bem, podemos confundir o errado com o certo e o certo com o errado. Portanto, é necessário ouvir ensinamentos para obter compreensão do Dharma e ser capaz de reconhecê-lo em nossa própria mente. A tolice está na mente. A inteligência está na mente. Trevas e ilusão existem na mente. Conhecimento e iluminação existem na mente. É como um prato sujo em sua casa que está sujo de fuligem e graxa, ou um chão sujo. Usando água e sabão para lavá-lo, você pode remover a sujeira. Quando a sujeira desaparece, você tem um prato limpo ou um chão limpo. Aqui, a coisa que está suja é a mente. Quando praticamos corretamente, encontramos uma coisa limpa, assim como acontece com o chão sujo que é limpo. Quando a sujeira é esfregada, aparece a condição de estar limpo. É apenas a sujeira que o obscurece. A mente em seu estado natural, a verdadeira mente, é algo estável e imaculado. É claro e limpo. Torna-se obscurecido e contaminado porque se encontra com os objetos dos sentidos e fica sob sua influência por gostar e não gostar. Não é que a mente esteja inerentemente contaminada, mas que ainda não está estabelecida no Dharma, então os fenômenos podem manchá-la. A natureza da mente original é inabalável. É tranquilo. Não estamos tranquilos porque estamos excitados com os objetos dos sentidos e terminamos como escravos das mudanças nos estados mentais resultantes.

Então, prática realmente significa procurar encontrar nosso caminho de volta ao estado original, a “coisa velha”. É encontrar nosso antigo lar, a mente original que não vacila e muda de acordo com vários fenômenos. É por natureza perfeitamente pacífico; é algo que já está dentro de nós.

– Ajahn Chah

3 comentários em “Quaisquer que sejam os fenômenos – Ajahn Chah

    1. Antigamente eu achava que todo sábado de manhã tinha uns pequenos ataques de ansiedade. É curioso isso. Até é ansiedade mas não é A Ansiedade porque ela era causada pelo café em excesso. Diferente dos dias da semana aos sábados eu bebia muito mais café, isso certamente causava excitação em excesso, um processo químico simples mas que na hora se mostrava como “Aí meu Deus MINHA ansiedade” sabe? A partir daí a coisa ganhava peso cada vez maior já que a tagarelice mental ajuda muito. Hoje eu ia escrever sobre isso, mas comentar aqui pareceu apropriado. Talvez escreva mais tarde.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s